A Praia da Vitória

Na Difusão da Poesia e do Carnaval

Após a realização do lançamento do meu livro no Instituto Açoriano de Cultura (IAC), veio-me à mente algumas afirmações que fizera, aquando da minha presença no Outono Vivo, no dia 8 de Novembro de 2022, totalmente dedicado à Poesia.

Neste período festivo que se avizinha, gostaria de salientar quão importante é a ligação entre a Poesia e o Carnaval terceirense. Mas quem leu e estudou nos liceus e universidades a poesia trovadoresca da Idade Média saberá, certamente, que muitas das cantigas desse tempo: as de amigo, as de amor e as de escárnio e maldizer contribuíram para o aparecimento das nossas danças de Entrudo e dos bailinhos actuais.

As primeiras a surgir foram as danças de espada. A sua composição obedecia a recursos próprios da poesia trovadoresca medieval, como a rima, as estrofes em versos simples, a música dos jograis e também, mais tarde, elementos religiosos por influência dos autos de Gil Vicente, que deixaram vestígios nas supracitadas nas danças e no teatro popular.

 Tal situação viria, posteriormente, originar um florescimento de décimas, algumas delas baseadas em hagiografias ou vidas de santos, em problemas do quotidiano, acontecimentos históricos ou lendários com impacte comunitário ou social, como por exemplo, no caso da Terceira, com a morte da Maria Vieira da Silva, em 1940, cujo processo de beatificação está praticamente concluído na Diocese de Angra.

 Essa tragédia horrível enlutou toda a nossa pacata ilha, não habituada a tais desmandos. Ainda hoje, está bem presente na mente de uns poucos nonagenários, que a viveram de perto ou ouviram relatos do sucedido. O seu martírio deu lugar à escrita de décimas populares e de danças de espada, que saíram em momentos diversos do Carnaval da Terceira.

Centrando, agora, a nossa dissertação mais directamente no tema indicado, no título deste artigo, gostaria de sublinhar que a Praia da Vitória, ao longo dos anos, tem contribuído muito para o incremento da poesia erudita ou exigente e a popular mais espontânea, bem como para a grande difusão do Carnaval da Ilha Terceira. Recorde-se que a sede do Museu do Carnaval Hélio Costa fica na Vila das Lajes, no concelho praiense.

Hoje, queria, acima de tudo, enfatizar a divulgação crescente da poesia no Outono Vivo, como ficou bem patente no belo recital da Judite Parreira, realizado no passado dia 8 de Novembro, no Auditório do Ramo Grande, repleto de espectadores atentos e felizes. Foi uma magnífica tarde para quem lá esteve, e para findar a jornada, houve à noite o lançamento do livro do autor destas linhas, com um animado e erudito painel de sete intervenientes, cinco dos quais professores do Ensino Secundário, uma psicóloga, organizadora do livro, e a coordenadora da Maré de Poesia, do quinzenário Jornal da Praia, uma página totalmente virada para a poesia, e que já vai a caminho do seu 5º. aniversário de existência.

A Maré de Poesia é uma raridade entre nós e arrisco-me a dizer que, neste momento, talvez seja a única a nível do país. Este facto só por si mostra a necessidade de desenvolver mais actividades culturais neste domínio, recuperando os famosos jogos florais de outros tempos, com novos cultores de poesia, que os há por aí, como se vê pelos colaboradores da página dirigida pela Dr.ª Carla Félix, poetisa já de recursos conhecidos.

Com vários nomes de poetas, em lápides colocadas nas ruas da cidade, temos uma iniciativa muito interessante para a difusão da poesia. Ainda muito recentemente, na nova rotunda da entrada da cidade, foi colocado um novo busto de Vitorino Nemésio, a dar as boas-vindas a quem chega à Praia da Vitória.

Esta ideia de trazer os poetas para a rua, merece os maiores encómios e revela o espírito criativo dos Praienses que, tal como opinei no dia 8 de Novembro passado (Dia da Poesia no Outono Vivo), são dotados de muito bom-gosto, grande criatividade, e briosos (prezados) naquilo que sabem fazer. Só é pena, alguns praienses não saberem, ou não querem apreciar o que de bom a Praia tem mostrado, tantas vezes, nas suas manifestações artísticas.

Apesar da minha residência oficial no concelho angrense, tenho quatro familiares a residir no da Praia da Vitória. Ora isto pesa bastante na avaliação que faço e na admiração que nutro pela Praia e pelo seu Povo, há longos anos.

António Neves Leal

Corrigenda  no JP nº. 632, de 31.01.2023

 Na 3ª linha, do antepenúltimo parágrafo da 2ª coluna da esquerda, por lapso, a seguir à palavra América, faltou colocar a conjunção e antes de o navegador Fernão de Magalhães, um português ao serviço do rei de Castela. As minhas desculpas. ANL

Pin It