Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Para quem não conhece, Simon Sinek é um dos mais proeminentes autores e oradores motivacionais da atualidade.
Por norma sou cético em relação a estes oradores. Até porque acho que para desempenhar esse papel é preciso muita experiência de vida, muito conhecimento de facto e viver de pés bem assentes no chão. O que não falta para aí são “vendilhões” cuja profissão é convencer-nos – com meia dúzia de chavões – de que tudo é possível. Mas que, na prática, nada de especial fizeram na vida.
Não é o caso de Simon Sinek.
Norte-Americano, sedeado em Nova Yorque, consegue ser fonte de inspiração no mundo do trabalho e dos negócios para todo o mundo. Até nos Açores.
Sentado que estava em busca de inspiração para escrever estas linhas, dei de caras um dos seus mais recentes posts no Facebook. Livremente traduzido, é algo como isto: “Se fossemos bons a tudo, não precisaríamos uns dos outros”.
E é verdade, não é?
Por vezes gostamos de nos convencer a nós próprios de que somos capazes de ser “the one man/woman show”, com resultados arrebatadores para todos. Mas não é verdade. Porque, embora nem sempre queiramos ou gostemos de acreditar, há outros que são melhores do que nós. Numa ou noutra área. Admitir isso é dar um passo rumo a um novo mundo, mais interligado, mais eficaz, mais real.
No mundo laboral, isto aplica-se perfeitamente aquelas organizações que gostam de resolver tudo com a “prata da casa”. Todavia, recorrendo a outro cliché, dificilmente os “Santos de casa fazem milagres”. Será útil e produtivo colocar o meu colaborador a realizar tarefas para as quais não está minimamente preparado ou motivado? O resultado final será satisfatório? Dificilmente. Será muito melhor, porventura, contratar serviços especializados para aquela tarefa em específico ou recorrer a outsourcings.
Outro exemplo são as organizações que contratam um especialista em determinada área, mas que depois duvidam de tudo o que essa pessoa diz ou sugere, preferindo “fazer como sempre se fez”, ou decidindo outra via, apenas com base num “ah, porque eu acho que…”. Se já caiu neste erro, faça o exercício de pensar o que teria sido diferente se tivesse ouvido @ especialista.
Facilmente se comprova que precisamos uns dos outros, porque é impossível sermos bons a tudo.
Se não conhecem, pesquisem no YouTube ou no Facebook: Simon Sinek. É o conselho que vos deixo hoje.

Li, no Expresso de 5 de Março, que “São Pedro vai ter nova capela em Gaia, obra de Siza Vieira”. A leitura da notícia trouxe-me à mente várias recordações.
Quando, a meados dos anos 60, fui viver para o Porto, gostava muito de ir à Casa de Chá da Boa Nova. O espaço era, e é, agradabilíssimo e, para mim, açoriano dos quatro costados, tinha um encanto especial: estava sentado à mesa com o mar logo ali à minha frente. Aquela vista era para mim imperdível porque, como diz o meu amigo Onésimo Teotónio Almeida, “Fora da vista do mar parece que me afogo”. É também por isso que, nas férias de Verão, em Ofir, gosto de ir com a minha mulher a um restaurante mesmo em cima do mar; abancamos numa mesa junto às janelas, sem pressas, porque não vamos apenas almoçar mas, principalmente, para ver o mar.
Quando ia à Casa de Chá da Boa Nova, nos anos 60, 70, não reparava muito na arquitetura, muito menos sabia que o projecto tinha a assinatura de Álvaro Sisa Vieira. Mais: nem lhe conhecia o nome, embora hoje possa parecer escandaloso. O tempo passou, o arquitecto é há muito figura pública, e hoje, tal como eu, qualquer português minimamente informado não é capaz de pensar na Casa de Chá sem a associar ao autor do projecto.
No dia 12 de Novembro de 2019, a RTP2 transmitiu um programa intitulado “Álvaro Siza Vieira - Arquiteto de Sonhos”, uma entrevista/conversa conduzida pela jornalista Fátima Campos Ferreira (https://www.rtp.pt/play/p6388/arquitecto-de-sonhos). Foi um diálogo extraordinário. Do alto dos seus oitenta e seis anos (nasceu em 1933), com uma simplicidade e humildade perturbadoras - o ritmo do discurso é lento, a mensagem de uma clareza ofuscante (como se pode ser tão profundo e simultaneamente, pelo menos aparentemente, tão linear) e bem articulada (não há saltos, não ficam pontas soltas, parece um texto lido que corre com a naturalidade da água que sai de uma torneira), falou das suas origens – dos pais, das viagens da família, do contexto em que foi educado. Revelou que se matriculou em arquitectura não por gosto mas como estratégia para, depois, transitar para escultura, que era a sua vontade, mas que o pai desaconselhara, chamando a atenção para o facto de, na época, não augurar grande futuro do ponto de vista económico.
Contou que, nos primeiros anos de curso, com a ajuda de alguns professores, descobriu as suas limitações, reconhecendo: “Eu era um aluno medíocre, naturalmente ignorante» e, por sugestão de um deles, comprou revistas de arquitectura, cuja leitura o deslumbrou.
Quando Fátima Campos Ferreira lhe perguntou se mantinha preocupações políticas e sociais ditas de esquerda, a resposta veio pronta, sem que se alterassem o tom de voz nem a cadência do discurso: ”há valores que são defendidos que são valores eternos, como é a luta contra a desigualdade, a luta pelos direitos independentemente do sexo, isso são coisas universais, lutas ou tentativas universais e intemporais”.
Foi uma entrevista de vida, em que o arquiteto foi descrevendo o seu percurso, os encontros e desencontros da vida, as pessoas, a perda de esposa, que faleceu muito precocemente, e o ficar para sempre sozinho com os filhos, que criou com a ajuda das avós, porque Maria Teresa, a paixão da sua vida, foi mãe e esposa insubstituível; o seu desaparecimento não deixou espaço para outra pessoa.
Falou sobre o modo como pensa e cria os seus projectos, assunto sempre interessantíssimo na boca de um criador. Explicou o caminho de como chegar ao novo, dando um exemplo: “Assim como na igreja, o problema que há, por vezes, é a da identificação daquele edifício como sendo uma igreja. O que normalmente se faz da forma mais simplista é pondo uma cruz. O meu propósito, lembro-me de Marco de Canaveses, foi desenhar uma igreja sem pôr a cruz, e que se olhasse e visse que era uma igreja, por outras razões”. E, no meio de uma conversa bem séria e a reflexão profunda, o humor saltava dando mais luz à profundidade do pensamento. E tudo isto conversado com a calma e a serenidade de alguém que vê a vida com distância, mas uma distância que não retira o calor de a viver. A conversa apresentou Siza Vieira num retrato de corpo inteiro, não, apenas, um grande arquitecto, mas alguém que atingiu o estádio da sabedoria.
Só me encontrei pessoalmente com Siza Vieira uma vez, na década de 90. Estava a ler no aeroporto de Lisboa, à espera de voo para o Porto. Às tantas, levantei a cabeça do livro e vi, junto ao pórtico detentor de metais da entrada da sala de espera, o arquitecto com os sapatos na mão. Disse para comigo: “então o funcionário da segurança não reconheceu o senhor e obrigou-o a descalçar-se?” Pareceu-me uma falta de respeito. Momentos depois, começou o embarque; entrei no avião e sentei-me no meu lugar. Pouco depois, para meu espanto, vejo Siza Vieira a avançar pelo corredor e vir sentar-se ao meu lado. Logo que ele se acomodou, pequei-lhe no braço e confessei-lhe: “é para mim uma honra estar sentado a seu lado”. Ele ficou surpreendido; começámos a conversar. Passado algum tempo, disse-me: “peço-lhe desculpa, mas tenho que aproveitar o tempo de voo para ir desenhando”. Trazia, enrolado na mão, um caderno de capas pretas tamanho A4. Abriu-o e começou a trabalhar. Na confusão do desembarque, perdi-o de vista. Como tinha bagagem de porão, dirigia-me para a passadeira rolante respectiva. Pouco depois de lá chegar, Siza Vieira apareceu, dirigindo-se a mim para se despedir; fiquei sensibilizado. Tinha sido um encontro casual e breve, mas, para minha surpresa e maior admiração por ele, o arquitecto gentilmente tinha vindo despedir-se.

Braga, Março de 2021

2 de Março de 1895 - 126 anos decorridos na História dos Açores e do seu Povo.
Por Decreto do governo português de então, datado de 2 de Março de 1895 e publicado dois dias depois no Diário do Governo, com o n.º 50, veio á luz do dia, o então chamado de “Decreto Autonómico” resultado de um sentimento de liberdade e autodeterminação de um Povo farto de ser comandado à distância e, vigiado pelos então chamados de capitães donatários, representantes do colonialismo assoberbado do governo central sediado em Lisboa, capital do Império.
Podemos dizer que a História da Autonomia (limitada), na Constituição Portuguesa vivida hoje nos Açores como Região Autónoma, começou àquela data do ano de 1895. Deve-se a concretização do referido Decreto, à intensa campanha autonómica e independentista, centrada na ilha de São Miguel, a chamada de (Primeira Campanha Autonómica) inspirado por Aristides Moreira da Mota e Gil Mont'Alverne de Sequeira, considerados os fundadores da primeira autonomia açoriana.
Foram muitos os açorianos que de uma forma ou de outra lutaram pela difusão das suas ideias autonómicas e independentistas. Deixamos aqui o nome e obras de alguns: - Pe. António Cordeiro (1641-1722) com a sua "História Insulana" Das Ilhas a Portugal Sujeitas no Oceano Occidental; João Soares de Albergaria de Sousa “A Independência Açoriana e seu Fundamento”, Francisco de Ataíde Machado de Faria e Maia. – “Em Prol da Descentralização. Livre Administração dos Açores pelos Açoreanos”; Gil Montalverne de Sequeira “QUESTÕES AÇORIANAS”. José Bruno Tavares Carreiro: - “A Autonomia Administrativa dos Distritos das Ilhas Adjacentes”
Todos eles, bem assim alguns dos nossos “tempos”, estiveram e estão na “esteira” da “divisa” que nos foi deixada por Ciprião de Figueiredo e que, integra o Brasão de Armas da chamada por enquanto de Região Autónoma dos Açores pois continuamos na esperança de que um dia a adjectivação de Região Autónoma deixe de existir.
Sem dúvida… tudo tem um princípio. A autonomia (deixai-me empregar a inicial em minúscula) que hoje temos, teve o seu embrião no Decreto Autonómico de 1895. Deram-nos o “gostinho” um “rebuçado”. Temos uma Assembleia Legislativa sem partidos com ADN açoriano; temos uma Bandeira com um escudo colonialista apenso; temos um Hino este sim com raízes açorianas na sua letra e na sua música herdada do então Hino Popular da Autonomia dos Açores, tocado a primeira vez a 3 de Fevereiro de 1894 durante as campanhas autonomistas da década de 1890. Temos orgulho de responder quando nos perguntam de onde somos dizer “dos Açores”, sou açoriano.
Mas curiosamente temos ainda muito que lutar para atingirmos a maioridade a que temos Direito em conformidade com a Carta dos Direitos do Homem. A Autonomia dos Povos é uma caminhada permanente até à sua meta principal a “LIBERDADE” do seu “EU”.
Ainda temos um “olheiro” de um presidente, que diz os Açores terem “autonomia” quanto basta. Não mandamos no nosso MAR nem no nosso Espaço Aéreo. Não nos podemos organizar partidariamente. Temos inimigos sentados nas confortáveis cadeiras da Assembleia da República. O poder concertado com entendimentos político-partidários de interesses centralistas.
Curiosamente e numa altura em que voltam a surgir problemas de relacionamento entre os poderes central e regional, a data histórica do “Dia 2 de Março”, passou despercebida à maioria das pessoas dos Açorianos. … simplesmente foi ignorado pelos Órgãos Legislativo e Governativo Açorianos.
Daí … Onde estiveram os afirmados autonomistas e independentistas?
José Ventura 2021-03-05

(O autor opta por escrever pela antiga grafia)

Refrão: do Hino Autonomista referenciado!

Para nós é vergonhosa
A central tutela odiosa,
Que em nossos lares recai.

Povos! Pela autonomia
Batalhai com valentia,
Com esperança batalhai!

 

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante