Lá por fora continua a guerra na Ucrânia, independente do duro e rigoroso inverno das terras eslavas. Os invasores russos, à falta de supremacia militar, resolveram desfazer infra-estruturas vitais à sobrevivência dos ucranianos, nomeadamente a destruição pensada e intencional da rede de energia elétrica que permitiria aquecer os lares das famílias ucranianas, que firmemente ainda subsistem naquele horrifico cenário de guerra.

Não se enganem, vão morrer dezenas, centenas senão milhares de civis por esta atitude inqualificável do regime russo. É premeditado, é em série e direcionado a civis (verdadeiros crimes de guerra!). É verdade que pouca influência temos neste cantinho remoto da Europa, mas o que podemos fazer, ou melhor, o que não devemos fazer é passar a vida a queixarmo-nos do preço do combustível quando todo um povo passa dificuldades e provações atrozes na defesa dos regimes democráticos, livres e independentes. Aos que se aproveitam da conjuntura para enriquecer à custa da manipulação de preços, o estado que actue sem complacência.

Por cá, e tal como aludido no último editorial, o nosso Sport Club Praiense (SCP) celebrou os seus 75 anos, na presença de adeptos, sócios e dirigentes. Antes da cerimónia, e tal como tem vindo a acontecer de hás uns anos para cá, decorreu uma missa por alma dos sócios que já partiram. Desde a sua fundação o SCP passou por alguns períodos difíceis, mas tem-se aguentado e é sem dúvida uma das instituições mais emblemáticas deste concelho, a par de, por exemplo, a Santa Casa da Misericórdia da Praia da Vitória (já bem mais madura com os seus 500 anos), o Lar D. Pedro V ou a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do nosso concelho. Na vertente política, a coligação PSD/CDS-PP/PPM aguenta-se firme no parlamento regional e a coligação PSD/CDS-PP transpira na gestão autárquica Praiense.

Mas o que é que a “defesa dos regimes democráticos, livres e independentes” tem a ver com o SCP, a Santa Casa da Misericórdia, Lar D. Pedro V, os Bombeiros? Ainda com a política, nomeadamente com o partido democrata cristão, a ligação é clara, mas e o resto? Caros leitores, a resposta é clara e tem um nome: Dr. Alvarino Manuel de Meneses Pinheiro, ilustre e estimado amigo da Praia da Vitória e da defesa intransigente das suas gentes, Homem de família, de convicções fortes, um democrata, um pró-ocidental, um político astuto, um cidadão com participação cívica muito acima da média, enfim, um cidadão notável. Os atuais diretor e diretor-adjunto deste nosso jornal, respetivamente, ex-Presidente e atual Presidente do Grupo de Amigos da Praia da Vitória tem a honra de partilhar esse lugar outrora ocupado por esse nosso conterrâneo Alvarino Pinheiro, também fundador do Jornal da Praia. Dr. Alvarino, obrigado por tudo o que deu a esta nossa terra!

Nascido a 22 de abril de 1950, faleceu na sua residência a 4 de dezembro de 2022, deixando mais uma cadeira vazia no “Canto do Terezinha”, da rua de Jesus, carismático local de reunião dos anos 80 e 90. Partiu um bom Praiense, deixou-nos mais um fundador do GAPV e Jornal da Praia, e permita o leitor a individualização, um eterno vizinho deste diretor-adjunto. Mas, enquanto nós apenas perdemos um vizinho e amigo, os filhos perderam o seu pai, os netos um avô, e sua esposa o seu marido e companheiro desta aventura que é a vida. A todos eles um abraço do tamanho do mundo, com os nossos profundos e sinceros pêsames…

Desta vez, despedimo-nos melancolicamente, acreditando genuinamente no conforto de uma viagem pacifica, que apenas uma vida preenchida, ativa, entre família e amigos, assente em ideais e na fé nos pode proporcionar. E ao terminar do texto, por algum motivo, quase se ouve o cumprimento firme, numa voz muito carismática e característica da Praia, apenas superada pela sua eloquente gargalhada bem disposta. Espero que estas humildes linhas o façam, pelo menos, sorrir. Até um dia Dr. Alvarino! Aquele Abraço Praiense!

Luis Moniz, Diretor Adjunto

Pin It