Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

O Presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro, anunciou na quinta-feira que as visitas estatutárias arrancarão depois da votação, em parlamento, do Plano e Orçamento para este ano, e assentarão na “proximidade” e na audição de pessoas e entidades.

Garantindo que as visitas não se centrarão em anúncios ou inaugurações, o governante sublinhou que estas “serão sobretudo para audição, presença, proximidade e respeito pela intensa convicção” da coesão territorial dos Açores e da ideia de que “cada ilha vale por si”.

Nas visitas estatutárias, previstas no Estatuto Político-Administrativo da Região Autónoma dos Açores, o Executivo procurará ouvir os cidadãos e a sociedade civil e apresentar-se a escrutínio “quanto às expetativas e realizações” da ação executiva, acrescentou o Presidente do Governo.

José Manuel Bolieiro falava em Angra do Heroísmo, no Palácio dos Capitães Generais, após ter presidido ao Conselho de Governo.

O Presidente do Governo Regional assinalou que serão realizados frequentemente Conselhos de Governo presenciais em Angra do Heroísmo, e assinalou que quis, simbolicamente, na “centralidade” da cidade, evocar a “descentralização da ação governativa” com o anúncio do regresso das visitas estatutárias.

Os deputados do PS/Açores à Assembleia da República entregaram esta quinta-feira um requerimento no parlamento nacional a solicitar esclarecimentos ao Ministério das Infraestruturas e Habitação quanto ao montante em dívida que a TAP possui relativamente a passageiros que foram impossibilitados de realizar as suas viagens de e para os Açores.
"Na sequência das notícias divulgadas e das denúncias que nos têm feito chegar, existirão dezenas de casos em que, apesar de assumir a obrigação, a TAP não está a regularizar em devido tempo os reembolsos aos passageiros que pagaram as suas viagens e não as puderam realizar devido a cancelamentos. Ora, esta situação é muito penalizadora para as famílias que aguardam há meses, e em alguns casos, há mais de um ano para que lhes seja pago o devido reembolso", afirmou Isabel Almeida Rodrigues, que considerou que apesar de esta matéria se ter agravado com a pandemia da Covid-19, já ocorria ainda antes de a pandemia ser uma realidade, “nomeadamente em casos de cancelamentos ocorridos perto da hora do voo e em que os passageiros, legitimamente, optaram pelo reembolso da viagem”.
Os deputados eleitos pelo PS/Açores pretendem assim ver esclarecido e saber quantos casos estão reportados devido a cancelamentos de voo com viagens que tenham como origem ou destino os Açores nos últimos quatro anos, quais os montantes de reembolso por regularizar e quando pretende a empresa regularizar na totalidade os valores em dívida.
"Todos compreendem a situação difícil em que se encontra o setor aéreo, mas esta situação, de meses e meses de atraso e de ausências de resposta às solicitações que os passageiros têm feito junto da empresa é totalmente inaceitável e deve ser resolvida o quanto antes. Até porque temos conhecimento de situações destas, prévias à pandemia, que também continuam por pagar”, concluiu Isabel Almeida Rodrigues.

Os deputados do CDS-PP Açores, reunidos em Jornadas Parlamentares na ilha Terceira, visitaram na manhã desta terça-feira a Central Geotérmica do Pico Alto, tendo declarado que “a questão das energias renováveis é para nós fulcral e está no centro da nossa atenção política”.
No final da visita, o deputado Pedro Pinto congratulou-se com “os planos de ampliação da produção de energia geotérmica na ilha Terceira, sendo de louvar o que já está sendo feito na Central Geotérmica do Pico Alto. É possível que a geotermia venha a sustentar aproximadamente metade das necessidades energéticas da ilha, o que significa tornar a nossa ilha mais verde, mais ecológica e menos dependente das energias fósseis”.
“O aumento da produção de energia geotérmica poderá assim reduzir a nossa dependência do exterior”, defendeu Pedro Pinto, “pois ao usar recursos que são naturais e endógenos, tornamo-nos menos dependentes das flutuações cambiais a nível internacional. O investimento neste tipo de energia renovável justifica-se inteiramente, quer por razões ambientais quer por razões económicas”.
Recorde-se que já desde há vários anos o CDS-PP tem vindo a defender a aposta no potencial geotérmico dos Açores.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante