Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

O livro "Paladares e Sabores com História. Receitas culinárias das antigas civilizações e da época medieval" (edição bilingue), de Carla Devesa Rodrigues e José Luís Neto, editado pelo Instituto Açoriano de Cultura, é apresentado no dia 15 de abril, pelas 18h30, na Biblioteca Pública e Arquivo Regional João José da Graça (Faial).
Com esta obra pretende-se dar a conhecer as estreitas relações existentes, ao longo do tempo, na cultura mediterrânica entre a sociabilização e a mesa. O livro segue o tradicional discurso civilizacional europeu e leva a cabo um percurso geográfico e temporal, com uma dimensão pedagógica e lúdica. Estamos, pois, em presença de um livro de gastronomia, que é mais do que isso, porquanto efetua a defesa intransigente da importância da história e do património no desenvolvimento da identidade e na consciência da cidadania e assenta em princípios e valores que se consideram fundamentais na sociedade contemporânea. Apelando aos sentidos e às sensações, transversais aos tempos e civilizações, propõe-se aqui uma miscelânea de complexa estratigrafia, que modelou a cultura europeia através da degustação e das suas múltiplas influências.
A comida, os temperos e os odores que a confeção dos alimentos libertam são, como muito bem assinalou Fernand Braudel, uma marca distintiva dos povos e revelam dinâmicas populacionais que ajudam a perceber a nossa História.
A obra em apreço, Paladares e Sabores com História, vem mostrar isso mesmo, elucidando-nos quanto ao modo como se cozinham determinados produtos, como se confecionam determinados pratos. Fá-lo, num périplo pelo globo ou por diferentes civilizações, périplo esse acompanhado por breves notas que explicitam usos e costumes, bem como crenças e desejos, e que nos dão a oportunidade de viajar pelo tempo e pelos lugares.

Ficha técnica
Autores: Carla Devesa Rodrigues, José Luís Neto
Bilingue: Português/Inglês
Tradução: Pedro Parreira
Edição e Revisão: Instituto Açoriano de Cultura
Capa: Angelina Caixeiro

Carla Devesa Rodrigues é técnica do Museu de Angra do Heroísmo. É pós-graduada em história e arqueologia medievais pela FCSH – Universidade Nova de Lisboa. É autora de dezenas de artigos nas áreas da história, arqueologia e museologia, nomeadamente na área da história da alimentação.
José Luís Neto é diretor do Museu da Horta. É doutorado em arqueologia pela Universidad de Salamanca. É autor de uma dezena de livros da especialidade e conta com cerca de quatro centenas de artigos publicados nas áreas da história, arqueologia, património e museologia

Ontem, dia 31 de março, foi apresentado o livro Angra em Revolução: o levantamento liberal de 2 de abril de 1821 da autoria do historiador terceirense Francisco Miguel Nogueira.
A obra patrocinada pela Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, foi lançada ontem no Salão Nobre dos Paços do Concelho, com uma lotação limitada. A apresentação do novo livro marca o início de comemoração dos 200 anos do Levantamento Liberal na Ilha. Esta celebração vai continuar com um ciclo de conferências organizadas pelo Município Angrense, em parceria com o Instituto Histórico da Ilha Terceira.
Segundo palavras do próprio autor: “a poucos dias do 2º centenário deste episódio, este livro buscou contar não só este evento, mas toda a conjuntura da Revolução Liberal de agosto de 1820, no Porto, que abriu um novo capítulo na História de Portugal, em que este livro se insere. Além de contar todo o ambiente vivido nesta cidade e nesta ilha antes, durante e logo após o levantamento liberal.”
Nas palavras de Francisco Miguel Nogueira, “em um tempo em que tudo é fugaz, manter viva a Memória Coletiva de todos nós é essencial. Conhecer e divulgar a nossa História, preservar e dinamizar o nosso Património e promover o nosso conhecimento do meio onde vivemos não é um capricho, é uma necessidade para a Cultura de todos nós enquanto terceirense e enquanto açorianos.” Mais, o historiador alerta que “este livro procura colmatar um certo desconhecimento sobre este episódio, lembrando a todos nós a importância de se conhecer o passado, pois saber mais do que fizemos, é saber melhor quem somos”.
O livro “embora seja sobre o levantamento liberal, acaba por focar-se em dois nomes que não se podem dissociar destes acontecimentos e que a sua mentalidade e sua forma de pensar e agir serão determinantes no desenvolvimento da revolta e suas consequências. Estamos a falar do 7º Capitão-General dos Açores Francisco de Araújo e Azevedo e do 8º Capitão-General dos Açores Francisco Garção Stockler.”
O livro Angra em Revolução: O Levantamento Liberal de 2 de abril de 1821 está, a partir de hoje à venda, na Loja do Município, na Câmara Municipal de Angra do Heroísmo. Para os interessados de fora da Ilha, basta enviarem e-mail com os seus dados para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

Já estão abertas as candidaturas para as mais de 360 Bolsas Santander Futuro 2021, que se destinam a apoiar estudantes universitários com recursos económicos limitados – inscritos numa das 50 Instituições de Ensino Superior beneficiárias de mecenato do Banco Santander e aderentes ao programa – e que estejam determinados a iniciar, prosseguir ou terminar um ciclo da carreira académica. As inscrições podem ser realizadas até 18 de abril de 2021 em: Bolsas Futuro Edição 2021.

As bolsas, num valor que pode ascender a mil euros, têm como objetivo contribuir para uma estabilidade financeira potenciadora de um melhor desempenho escolar dos beneficiários.

O mérito escolar é um dos principais critérios, assim como a necessidade de apoio financeiro para os universitários poderem prosseguir os estudos no 1º e 2º ciclo do ensino superior.

Podem candidatar-se os alunos das universidades e institutos de todo o País que mantêm parcerias com o Santander Universidades. Entre os critérios de elegibilidade dos candidatos às bolsas, inclui-se a situação de desemprego comprovado através de registo no IEFP - Instituto do Emprego e Formação Profissional.

A apresentação de prova de situação económico-financeira que conduz o aluno à necessidade da bolsa para prosseguir os seus estudos, assim como o facto de o candidato estar a estudar numa universidade localizada a mais de 50 km da sua residência, são outros critérios de elegibilidade para as novas bolsas. 

No que respeita à Educação, para além do acesso, permanência e sucesso nos estudos universitários sem distinção de género, etnia, religião ou de condição política, social ou económica, o Santander Universidades atribui especial importância à criação de oportunidades para estudantes com menores recursos económicos, com necessidades especiais ou integrantes de grupos sociais vulneráveis. 

Neste sentido, a experiência internacional e nacional do Santander Universidades tem demonstrado que a disponibilização de bolsas de estudo tem sido, não só um elemento fundamental para prevenir o abandono do ensino universitário por parte dos bolseiros, como um fator de estabilidade financeira dos estudantes, proporcionador de melhores desempenhos e de sucesso escolar.

Consciente de que cada Instituição de Ensino Superior conhece melhor a realidade social dos seus estudantes, o Santander Universidades apoia-se nas universidades e institutos que são seus parceiros nesta iniciativa para gerar as candidaturas, identificando, selecionando e atribuindo bolsas de estudo aos alunos que demonstrem, através de resultados concretos, um desempenho escolar revelador do seu empenho em prosseguir a carreira académica. 

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante